segunda-feira, 1 de abril de 2013

Já era madrugada em mim, e eu acordei...

Eu tive vontade de chorar com a beleza do mundo. Foi uma sensação de nascer novamente. Não, não corri nenhum perigo físico. Corri o perigo de morrer em vida, de desencantar. E foi preciso uma tristeza muito grande para eu perceber que o poço que eu estava entrando não tinha a ver com a tristeza, mas com o vazio. Com o perder de vista daquele sentimento de contemplação da vida, que é condição da minha existência (por isso me sentia deixando de existir). Afundando no vazio, não conseguia mais lutar contra a força do hábito me empurrando. O hábito, a rotina, o automático, a alienação, a cegueira diária, são os aliados do vazio. E eu não queria o mesmo destino que tantos sensíveis acabam tendo, de serem engolidos pela maquinaria do mundo. Não sei qual foi o exato momento que me reencontrei, no nascer do dia ou no final da tarde? Não importa, pois uma descoberta me fez respirar novamente, e ao expirar pude sentir o prazer de estar viva (embora ainda sejam necessárias muitas expirações para afastar todo o vazio). Abri meu coração para a solidão. Pois a solidão nos ensina amar a nós mesmos. E então tive essa sensação de renascer para o mundo. E naquele dia, o céu estava tão azul, o mar estava tão brilhante, havia um poço de luz no meio do mar, e tudo isso encheu meus olhos de lágrimas, esse final de tarde era minha fagulha de vida. “Because the sky is blue, it makes me cry”. Esse trecho dos Beatles nunca fez tanto sentido e eu o cantarolava em minha mente. Eu estava comovida com a beleza do mundo. A tristeza ainda estava em mim, o amor também, mas me reencontrar com esse sentimento de puro encantamento me renovou. A tristeza e o amor se tornaram belos. E novamente eu quis chorar, pois estava tudo isso tão perto de mim, e eu pensando que só encontraria a quilômetros de distância. A natureza esplêndida estava na minha esquina. E pude ver o quanto é possível viajar sem pegar ônibus ou avião, pois a viagem é mais interior do que qualquer coisa. Viajar é um estado de espirito. E virando a rua, eu estava viajando, vendo um bairro que nunca vi, numa cidade desconhecida. E foi isso que fiz naquele feriado, viajei, para o encontro comigo mesma. Continuo buscando respostas, percebendo o quanto ainda tenho a aprender sobre mim mesma e o mundo, mas me dei a mão e disse “vamos juntas”. Para onde? Não importa mais. Não posso deixar o mundo me engolir por estar parada pensando qual caminho seguir. Vamos em frente, mas de mãos dadas, mesmo que eu ainda não te conheça tão bem. Vamos nos conhecendo no caminho, sei que muita coisa ainda vai doer, pois a trilha para quem não consegue se ajustar é árdua, e porque ainda sou uma criança nesse mundo prático. Mas vou apertar forte sua mão e poderei suportar. Se não me perder mais de você (de mim), sei que chegarei em algum lugar, e sei que o caminho será florido e perfumado. Mesmo que algumas vezes seja um perfume de melancolia. Pois só assim vale a pena trilhar, pleno de vida, e estar pleno de vida implica em desfrutar da dor também.

"Quem olha para fora, sonha. Quem olha para dentro, acorda." Carl G. Jung


2 comentários:

  1. Lindo o texto. So ja tendo se sentido vazia algumas vezes para entender o que é se encontrar novamente

    ResponderExcluir
  2. Ouviu o grito da sua essência!

    ResponderExcluir